sábado, 24 de setembro de 2016

Títulos pra quê?

O título de um dia qualquer pode ir de algo bom a algo ruim. Mas títulos só podem ser dados ao fim. Você dá títulos a dias que começaram? A segundas-feiras? Ao seu ano em janeiro? Títulos são sempre dados ao final.


Título pra quê? 
Nem tudo que acontece na vida precisa de um. Você não acorda em uma manhã de domingo e dá um título praquele dia. Quando a virada de ano começa, você não dá um título pro seu ano à meia noite do dia primeiro de janeiro. Não. 
Títulos são dados ao fim. Fim do dia, da semana, do ano... da história. Quando você morrer, alguém pode por sua vida no papel e dar um título à ela. Você não pode escolher um enquanto está vivo. Imagine: As incríveis aventuras de Kai. Brega. Fraco. Uma aventura. Bobagem.
Uma vida sofrida. Mas e se não for? E se você for a pessoa mais feliz do mundo? 
Me pergunto: título pra quê?
Comecei a escrever esse texto de repente, porque eu quis. Abri o blog e comecei. Não escrevi no word, não fiz rascunhos, não apaguei as partes que considerei idiotas ou desnecessárias. Não corrigi erros ou acrescentei depois o que achava importante. Abri e comecei a escrever.
Por que? - talvez você pergunte.
Por que não? - respondo eu.
Porque sim. Porque eu gosto de escrever. Porque eu sinto falta. Porque eu fiquei longe por tanto tempo que quase pensei que nunca voltaria. Mas eu quero!
EU QUERO MUITO! 
Às vezes a vida chega em você e diz: que belos sonhos você tem! Vamos pegar todos e guardar cuidadosamente nessa caixinha. Agora vamos trancá-la. Você não precisa deles! Sonhos são bobagem! Você precisa trabalhar e ganhar dinheiro! Vamos! Acorde cedo, vá para o trabalho, faça o que tem que fazer. Volte para casa, pense em tudo que você poderia fazer, mas não vai. Durma. Repita no dia seguinte. 
Eu odeio quando ela abre a boca. Parece até que a vida não sabe o que está dizendo. Ela tenta te dar o título antes de você chegar ao fim da história. Não dê ouvidos a ela. Eu não queria escutá-la. 
O que eu quero? Quero tudo! Tudo o que eu sonho. E o que eu sonho? Depende. No momento, eu queria voltar pra cá. Eu gosto tanto daqui. É como um quarto só meu. Um canto só meu. Um lugar onde posso deixar as palavras fluírem, falar o que quiser e não me importar com a droga da vida e o mundo lá fora. É gostoso, confortável. Quase um lar. Eu sinto falta. 
Vou me esforçar pra voltar. Abrir a porta, limpar as teias de aranha, concertar a escrivaninha, arrumar uma cadeira e tomar de volta esse quarto só meu. Compartilhar minhas ideias e meus mundos a quem quiser ouvir. Respirar novamente algo que deixei pra trás porque dei ouvidos a vida e guardei meus sonhos numa maldita caixa e escondi debaixo da cama. 
Eu escrevia fora do quarto só pra mim. Eu não contava ninguém, mas estavam lá. Todos os meus preciosos. O trabalho de limpeza vai ser duro, mas garanto que vai ficar bonito. A Kai vai voltar. Melhor, mais forte e vai fincar ancoras no chão. Talvez eu não consiga manter um por semana, mas eu vou me esforçar todos os dias. Viver o que a vida tentou me fazer guardar. Bater o pé na porta e apagar o título que ela me deu pra uma vida sem graça. Eu não quero ele. Não quero esse título. EI VIDA! ENFIA NO CU!
Afinal...
Título pra quê? 

S.K. Evans

Nenhum comentário:

Postar um comentário